Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer vitae adipiscing elit. Aenean commodo ligula eget ut, dolor. Aenean massa. Cum sociis pretium qui asem. Nulla consequat massa quis.

Popular Post

Sign up for newsletter
[contact-form-7 404 "Not Found"]
Home  /  Histórico

Histórico

O Grupo formou-se em 1995, na Escola de Arte Dramática da USP, com a finalidade de produzir o espetáculo “Endecha das Três Irmãs”, baseado na obra de Adélia Prado e dirigido por Vânia Terra. Este projeto foi vencedor da Jornada SESC de Teatro de 95 e cumpriu temporada em 96 no Centro Cultural São Paulo, marcando o início de uma identidade artística e estrutural do grupo.

A segunda produção foi o espetáculo infantil “Poemas para Brincar” de José Paulo Paes, com direção do grupo e orientação de Eduardo Amos. O universo da poesia permanece, desta vez, aliado à linguagem dos bonecos. Este espetáculo ainda é apresentado e, em janeiro de 1999, integrou o Projeto Móvel de Cultura e Meio Ambiente da Comunidade Solidária, percorrendo o interior de Pernambuco e Alagoas. Esse trabalho consolidou o grupo e foi agraciado com os seguintes prêmios: MAMBEMBE 96 – Grupo.APCA 96 – Texto PRÊMIO COCA-COLA 96 – Música e Categoria Especial/Teatro de Animação.

Em 1998 o grupo realizou no Centro Cultural São Paulo seu terceiro trabalho, o espetáculo “Sonhos de Einstein”, baseado no livro homônimo de Alan Lightman, com direção e adaptação de Isabel Setti.

Every day is a new day. It is better to be lucky. But I would rather be exact. Then when luck comes you are ready — Ernest Hemingway

Em 1999, dando continuidade à pesquisa da poesia no teatro, o grupo realizou o espetáculo “Itinerário de Pasárgada” baseado na obra de Manuel Bandeira, com direção e adaptação de Regina Galdino. Esse espetáculo foi apresentado em 20 cidades do interior de São Paulo dentro do evento do SESC “Coração dos Outros – Saravá Mário de Andrade!” em abril/maio de 99 e cumpriu duas temporadas na cidade de São Paulo.

Em 2000, retornando ao universo do teatro de animação, foi realizado o espetáculo infantil “O Vôo”, uma produção conjunta com a Cia A Cidade Muda – núcleo Teatro de Brinquedo, com direção de Cláudio Saltini e texto de Regina Galdino. “O Vôo”, baseado na história de Charles Lindberg. Este espetáculo foi indicado na categoria especial Teatro de Animação do Prêmio Pananco de 2000.

Neste mesmo ano, a convite da TV Cultura, foi realizado com o grupo o especial A Um Passo do Pássaro, sobre a vida e obra de Orides Fontele.

ss

Em 2001 o grupo realiza o espetáculo “O Vôo II – A grande corrida das máquinas voadoras”, com direção de Eduardo Amos, texto de Regina Galdino e concepção e produção de Cláudio Saltini. Este espetáculo recebeu o Prêmio APCA de 2001- Melhor espetáculo de bonecos. Ainda em 2001 participou do projeto Jovem Protagonista da Secretária Estadual da Educação, viajando pelo interior de São Paulo.

Em 2002 a nova produção do grupo foi o espetáculo “Tem Francesa no Morro”, com direção e texto de Kleber Montanheiro. Este espetáculo é um musical brasileiro que homenageia as grandes vedetes e artistas do Teatro de Revista nacional. Estreou em setembro de 2001 no interior de São Paulo e cumpriu temporada em 2002 no Centro Cultural São Paulo. Viajou também pelo interior do Estado no projeto Mosaico Teatral do SESCOOP.

Em 2002 o grupo cria a intervenção Canto a Canto, que são poesias e música feitas para uma pessoa apenas. Ao final da poesia um origami é oferecido ao espectador. Apresentamos essa intervenção cênica até hoje, em em vários locais, na cidade de São Paulo e em todo o Brasil.

Em 2003 o grupo se dedicou ao projeto Circular-Teatro, que percorreu, em um ônibus-teatro, as cinco regiões da cidade de São Paulo apresentando todo seu repertório adaptado ao ônibus, em um total de aproximadamente cento e vinte apresentações, em mais de cinquenta lugares diferentes. Este projeto foi patrocinado pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo.

ss

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Aenean commodo ligula eget dolor. Aenean massa. Cum sociis pretium quis, sem. Nulla consequat massa quis enim. Donec pede justo, fringilla vel, aliquet nec, vulputate eget, arcu. In enim justo, rhoncus ut, imperdietjusto. Nullam dictum felis eu pede mollis pretium. Integer tincidunt. Cras dapibus. Vivamus elementum semper nisi. Aenean vulputate eleifend tellus. Aenean leo ligula, porttitor eu, consequat vitae, eleifend ac, enim massa quis enim.

Em 2004 o grupo ganha novamente o patrocínio da Lei de Fomento para o teatro da cidade de São Paulo dando continuidade a este projeto e realiza o espetáculo “Nas Rodas do Coração”, concebido para as necessidades específicas do ônibus-teatro e para a linguagem de rua. Inspirado nas músicas de Adoniran Barbosa, com texto de Regina Galdino e direção de Ednaldo Freire, este espetáculo é uma comédia musical melodramática que utiliza a estrutura popular do Circo Teatro para contar histórias que se passam nos bairros de São Paulo.

Em 2005, através da Lei de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo o grupo realizou um estudo sobre a obra Nelson Rodrigues, com orientação de Cibele Forjaz e Regina Galdino e sobre a obra de Shakespeare com orientação de Cristiane Paoli-Quito e Marco Antônio Rodrigues.

Desse processo de pesquisa nasce em 2006 o espetáculo “Noite de Reis” de Shakespeare, com direção de Marco Antônio Rodrigues. Este trabalho também foi concebido especialmente para o Circular Teatro e circulou por ruas, praças e parques da cidade em 2007 e 2008.

ss

Também em 2006 a cia As Graças estreou o espetáculo “Clarices” com textos de Clarice Lispector e direção de Vivien Buckup, que foi contemplado com o Prêmio Funarte Mirian Muniz e cumpriu temporada no Centro Cultural São Paulo e em 2007 no Teatro Capobianco e no Teatro Ágora.

Em 2008 estreou o espetáculo infantil “ Tem, mas acabou!” com direção de Cris Lozano. O espetáculo cumpriu a primeira temporada no Sesc Pompéia, realizou temporadas nos Sescs Santana, Consolação, Santo André, Ipiranga e Belenzinho. Teve duas indicações ao Prêmio Femsa: Melhor espetáculo e Categoria Especial.

Em setembro de 2009 estreou o espetáculo de rua “Como Saber?!” com roteiro e direção de Léris Colombaioni, especialmente concebido para o ônibus teatro com linguagem circense. Este espetáculo foi contemplado pelo PROAC.

Em 2013 estreou “Marias da Luz” com dramaturgia de Daniela Schitini e Nereu Afonso da Silva e com direção de André Carreira. Este espetáculo, concebido especialmente a partir de depoimentos recolhidos no parque da luz, estreou em São Paulo e viajou por 12 capitais brasileiras em sua primeira temporada. Esse espetáculo fez parte do projeto “As Graças – Circular Teatro: do Parque da Luz para o Brasil”, que foi contemplado pelo Programa Petrobras Cultural – Pesquisa e Manutenção de Grupo. Também foi vencedor do prêmio Cooperativa Paulista de Teatro 2013 na categoria “Melhor Espetáculo em espaço não convencional” . Com o volume de espetáculos do grupo, o aumento da complexidade administrativa, a progressiva aquisição de equipamento, cenário, figurino, aluguel de galpão para guardar o acervo da companhia e aluguel de garagem para guardar o ônibus, tornou-se necessário a abertura de uma empresa que suprisse as necessidades administrativas do grupo. Criamos então, em 06 de junho de 2011 a empresa Cia. Teatral As Graças serviços Artísticos LTDA – ME, com o CNPJ: 13.524.524/0001-23.

Em 2013 o grupo ganha o edital PROAC para montar seu mais novo infantil “Bessarábia, uma feira de histórias”, com dramaturgia de Juliana Gontijo e o grupo, e direção de David Taiyu. Esse foi o primeiro espetáculo produzido pela através da empresa As Graças. Esse espetáculo foi indicado para três categorias do Prêmio de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem de 2014 e vencedor na Categoria Especial pela sensibilidade e talento na restauração e manipulação de bonecos artesanais do século XIX.

Em 2018 o grupo estreou seu mais novo espetáculo “Quem Vem de Longe, com texto de Nereu Afonso e direção de Cristiane Paoli Quito.